Projetos, Festivais, Turnês,
Intercâmbios, Palestras,
Conferências, Debates



EXPERIÊNCIA DO SOBREVENTO NA REALIZAÇÃO DE INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS NO BRASIL

O SOBREVENTO tem como centro do seu trabalho a criação e a apresentação de seus espetáculos, a partir de um trabalho de pesquisa e experimentação. Tem um compromisso, entretanto, com a difusão de sua Arte, e, para isto, não só apóia como realiza diversas atividades, como a realização de Cursos, Oficinas, Palestras, Mesas-Redondas, Festivais e Mostras, tanto no Brasil como no exterior.

Realizou Mostras Internacionais de Teatro de Animação pioneiras na cidade do Rio de Janeiro: RIO BONECOS 92 (no Centro Cultural Banco do Brasil), MOSTRA MARIA MAZZETTI DE TEATRO DE BONECOS 95 (no Teatro Ziembinski), – que trouxe ao Brasil Companhias da China, Espanha, Suécia, França, Chile e Argentina –, e I MOSTRA RIOARTE DE BONECOS – GRANDES MESTRES DO TEATRO DE BONECOS MUNDIAL NO RIO, com Grupos do Japão, Índia, Peru e Espanha. Organizou e realizou o PRIMEIRO TEATRO - Ciclo Internacional de Teatro para Bebês, no Rio de Janeiro e em Brasília. Foi, também, curador do Primeiro Festival Internacional de Teatro RIO CENA CONTEMPORÂNEA, em 1996, do qual participaram 25 companhias de dezesseis países. Foi curador do Festival SESI BONECOS DO MUNDO, realizado em Brasília (2005), em São Paulo (2006), Manaus (2007), Recife (2008), Brasília (2009), Belém (2010) e do Festival Internacional de Teatro de Objetos - FITO - Belo Horizonte (2009, 2010 e 2012), Porto Alegre e Manaus (2009), Brasília (2010), Florianópolis (2010), Campo Grande (2011), Curitiba (2012) e Recife (2011 e 2012).

Fora dos Festivais que organizou, foi responsável pela vinda e pela circulação pelo país de diversas companhias e solistas estrangeiros de Teatro de Bonecos, entre os quais destacam-se YANG FENG TEATRO DE BONECOS, MARIONETES DE YANG ZHOU (China), CIA. DE TEATRO DE BONECOS E DE SOMBRA DE TANGSHAN (China), TÍTERES DE MARÍA PARRATO, PELELE TEATRO, CIA. FERNÁN CARDAMA, LA CASA INCIERTA, HERMANOS OLIGOR (Espanha).

Organiza e realiza a SEMANA INTERNACIONAL DE TEATRO DE ANIMAÇÃO DO SOBREVENTO, em sua quarta edição, o Festival A PRAÇA DOS BONECOS, que acontece na periferia da cidade de São Paulo, em sua nona edição e o PRIMEIRO OLHAR - Festival Internacional de Teatro para Bebês, que acontece em São Bernado do Campo e em São Paulo, em sua quarta edição.

Promoveu intercâmbio com os bonequeiros YANG FENG e LIANG JUN (China) e HORACIO TIGNANELLI (Argentina), responsáveis pela Orientação, Direção de Manipulação e Dramaturgia dos espetáculos CADÊ O MEU HERÓI? e A CORTINA DA BABÁ. Promoveu, também, residências artísticas e oficinas de grandes artistas, dentre os quais destacam-se Laurent Dupont (França), Katy Deville (Théâtre de Cuisine - França), Eric de Sarria (Cie. Phillippe Genty - França), Agnès Limbos (Bélgica), Yang Feng e Liang Jun (China), Carlos Laredo (Espanha) e Antonio Catalano (Itália).

SEMANA INTERNACIONAL DE TEATRO DE ANIMAÇÃO DO SOBREVENTO

A Semana Internacional de Teatro de Animação do Sobrevento é uma mostra temática, em que o grupo busca discutir questões que considera importantes para o desenvolvimento e o aprofundamento de sua arte, ao mesmo tempo em que busca revelar a diversidade, a profundidade e a modernidade do Teatro de Bonecos.

A primeira edição (Diversidade) foi realizada em 2009, com recursos próprios, e apresentou apenas três companhias: The Huber Marionettes (EUA), Companhia de Teatro de Sombras de Tangshan (China) e Companhia La Voce Delle Cose (Itália). No ESPAÇO SOBREVENTO, no Brás, o público pôde assistir a uma das mais importantes companhias chinesas de Teatro de Sombras, ao marionetista norte-americano Phillip Huber, o marionetista virtuoso do filme Quero ser John Malkovich, e pôde conhecer o Teatro de Objetos da companhia italiana La Voce delle Cose, em uma instalação surpreendente. Teve acesso a três importantes companhias estrangeiras, com espetáculos muito diferentes nas técnicas apresentadas e na relação com o público. E foi muito emocionante ver como um público pouco habituado a espetáculos experimentais reagiu de uma forma tão entusiasmada à Mostra.

Graças ao enorme sucesso da primeira edição, o festival teve um notável crescimento, e a segunda edição (Do Boneco ao Objeto), realizada em 2011, contou com o patrocínio da Petrobras através da Lei de Incentivo à Cultura, o apoio da FUNARTE e a parceria da SP Escola de Teatro. Além de 22 apresentações de seis companhias a II Semana Internacional de Teatro de Animação promoveu duas oficinas, seis debates sobre o processo de criação de cada companhia e duas mesas-redondas acerca do Teatro de Animação no panorama do Teatro Contemporâneo. Participaram da 2ª edição Compagnie Gare Central (Bélgica), Hermanos Oligor (Espanha), Cia Mútua (SC-Brasil), Théâtre Manarf (França) e Compagnie Philippe Genty (França). O SOBREVENTO novamente pôde realizar uma programação de excelência. Primeiro, escolheu as companhias, em função da relevância do seu trabalho no panorama internacional do Teatro de Animação. E só depois definiu o período em que aconteceria o festival, em função da agenda daqueles artistas especificamente. O reconhecimento do alto nível dos grupos e artistas envolvidos veio logo que as inscrições para as oficinas internacionais foram abertas: o grupo recebeu, em uma semana, 200 inscrições, de 10 estados diferentes, de renomados artistas, professores universitários e pesquisadores. O Espaço Sobrevento foi se transformando a cada montagem, chegando a abrigar, em uma área de 400 m², simultaneamente, 2 salas de espetáculos, uma sala de debate e uma sala para as oficinas. O alto nível da programação deixou o público surpreso, encantado e com grandes expectativas em relação à próxima edição.

A terceira edição (Fragilidade) aconteceu em 2012, graças ao Programa Municipal de Fomento ao Teatro. Nela, foram realizadas 13 apresentações, 6 debates e 2 mesas-redondas, com as companhias Art Stage SAN (Coreia), Crazy Body Group (Irã), Cia. Rocamora (Espanha), Hermanos Oligor (Espanha), Playground (Espanha) e Casa Degli Alfieri (Itália). Duas das cinco companhias que fizeram parte da programação da 3ª Semana nunca tinham vindo ao Brasil.

Em 2014, o SOBREVENTO realizou a 4ª edição (O Ator e o Teatro de Bonecos). Pela primeira vez, o festival aconteceu fora da sede do grupo. Com patrocínio da Caixa, todas as atividades aconteceram na Caixa Cultural São Paulo. A ideia era discutir a interferência que o ator provoca em diferentes manifestações artísticas desta arte, criando gêneros, técnicas, e formatos, recriando velhos fenômenos culturais, estabelecendo novos papéis para a figura do manipulador, do bonequeiro e do próprio ator e, com isto, dando origem a espetáculos inesperados, surpreendentes, criando um teatro novo, sempre novo, para ser sempre atual. Para tal, o SOBREVENTO convidou a Shakespeare WomenCompany (Portugal), a Cia. Autónoma Dromosofista (Itália / Argentina), o Théâtre De Cuisine (França), o Théâtre De L'arc-En-Terre (França), Gaia Teatro (Peru) e a mineira Catibrum. Durante a 4ª Semana, foram realizadas 19 apresentações, 2 oficinas - uma delas coordenada por KATIE DEVILLE, uma das criadoras do nome Teatro de Objetos como definição de uma linguagem teatral - e uma mesa-redonda.

PRIMEIRO OLHAR: FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO PARA BEBÊS

Todo ser humano é pleno desde que nasce. A um bebê não falta nada. É capaz de se comunicar, de se relacionar, de se emocionar desde sempre. Entende tudo o que merece ser entendido. E isto é o suficiente e o importante para o Teatro, cujos elementos não são feitos de moléculas, de medidas, de quantias, mas de poesia, da poesia inata em todo ser humano. PRIMEIRO OLHAR foi a primeira mostra internacional de Teatro para bebês realizada no Brasil, fruto de um intercâmbio entre o SOBREVENTO e LA CASA INCIERTA, pioneira do Teatro para Bebês na Espanha. Com uma programação de excelência, ganhou grande destaque nos meios de comunicação, pelo pioneirismo, consequência, qualidade e seriedade da proposta. Mais do que isto, a mostra veio para preencher uma lacuna na integração social e no direito à Cultura da primeira infância e constitui uma iniciativa importante para as crianças, para os pais, para a sociedade e para o próprio Teatro.

A primeira edição aconteceu em 2010, no Teatro Elis Regina, em São Bernardo do Campo (SP). Durante 2 finais de semana, foram realizadas 12 apresentações de 4 espetáculos - 2 do SOBREVENTO e 2 da Casa Incierta.

A segunda edição foi realizada em 2013 e teve um crescimento impressionante. Graças ao apoio da Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Programa de Ação Cultural, das Prefeituras de São Bernardo do Campo e de São Paulo e de instituições governamentais dos países de origem das companhias participantes, o SOBREVENTO pôde realizar 41 apresentações de 6 espetáculos de 3 companhias internacionais e 2 nacionais, duas mesas-redondas e duas Oficinas Internacionais de Teatro para Bebês, destinada a artistas, pesquisadores e educadores. A todas estas ações, somou-se ainda a exposição Infância e Paz, de Lisle Lucena e Marcia Alvaro Barr, de Brasília. A Prefeitura de São Bernardo do Campo abraçou o projeto amplamente. Reservou um espaço cultural nobre, tradicional e muito conhecido da cidade – o Teatro Abílio Pereira de Almeida – onde funciona, desde 2011, o Centro Livre de Artes Cênicas. O espaço, localizado no bairro Baeta Neves, é de fácil acesso – fica ao lado do centro da cidade –, congrega jovens artistas em formação e um público cativo. Graças ao comprometimento de todas as companhias, artistas, parceiros e técnicos envolvidos, o SOBREVENTO pôde estender a programação para São Paulo, promovendo atividades em sua sede, o Espaço Sobrevento, e em cinco Centros Educacionais Unificados (CEUs). Nesta 2ª edição, a Secretaria de Educação de São Bernardo teve um papel fundamental, incentivando a participação dos educadores – tanto que foi preciso abrir uma turma extra – e financiando uma série de 17 apresentações do SOBREVENTO, realizadas no CEU Celso Daniel. Seria o início de uma parceria que viria a promover, em 2014, um projeto inédito de integração entre o Teatro para Bebês e a Educação Pública. Além do SOBREVENTO e da Casa Incierta, participaram da 2ª edição a CIA. PÉS PEQUENOS (SP), o TEATER REFLEKSION (AARHUS_DINAMARCA) e LES INCOMPLÈTES (QUÉBEC_CANADÁ).

Em 2014, a 3ª edição também contou com o apoio do Proac e aconteceu em 14 espaços públicos - o dobro da segunda edição - de São Bernardo do Campo e de São Paulo. Ao todo foram realizadas 48 apresentações, a exposição "O Jardim de Mandana Sadat", a instalação plástica "Construção", de Liana Yuri, uma palestra e uma oficina com Laurent Dupont, o prioneiro do Teatro para Bebês no mundo. Paralelamente ao festival, a Secretaria de Educação convidou o SOBREVENTO a realizar uma residência artística na cidade. O projeto levou a 75 creches públicas e conveniadas de São Bernardo 150 apresentações do espetáculo MEU JARDIM e 13 oficinas para professores, atingindo um número impressionante: 7500 espectadores entre 6 meses e 3 anos de idade; cerca de 1200 espectadores adultos acompanhantes (entre professores, coordenadores e pessoal de apoio) e 400 oficinandos (entre professores e coordenadores), durante 6 meses. Além do SOBREVENTO e da Casa Incierta, participaram da 3ª edição MANDANA SADAT (FRANÇA), CIA. ACTA (FRANÇA) e CELEIRO DAS ANTAS (BRASÍLIA).

O 4º festival aconteceu de 7 a 30 de agosto de 2015. Foram realizadas 24 apresentações de 7 espetáculos diferentes, de 6 companhias (3 internacionais e 3 nacionais). Além das apresentações, foram promovidas 2 oficinas e 2 instalações plásticas. As atividades foram realizadas simultaneamente no CLAC São Bernardo do Campo e no Espaço Sobrevento. Além do SOBREVENTO e da CASA INCIERTA, participaram da 4ª edição a CIA. TEATRO PARA BEBES (URUGUAI), CAIXA DO ELEFANTE, de Porto Alegre (RS), TEATER NORDKRAFT/LISA GERTUM BECKER e CLAUS CARLSEN (DINAMARCA) e CIA. STUDIO SEREIA (DF). A OFICINA BRINCANDO COM O INVISÍVEL foi coordenada por Carlos Laredo (La Casa Incierta – Espanha) e a OFICINA CRIANDO UM ESPETÁCULO PARA BEBÊS teve coordenação de Sandra Vargas, do SOBREVENTO. O CLAC São Bernardo recebeu a INSTALAÇÃO PLÁSTICA ARTE PARA BEBÊS, de Giuliana Pellegrini, e o Espaço Sobrevento abrigou a INSTALAÇÃO PLÁSTICA PLANTAÇÃO, de Liana Yuri e Sueli Andrade. O festival foi realizado pelo Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura e contou com o apoio do Instituto Cultural da Dinamarca.

O crescente reconhecimento da importância da iniciativa do SOBREVENTO garantiu um alcance extraordinário da proposta, que conquistou um espaço até então impensável para o Teatro para Bebês. O festival conseguiu atrair a atenção de pesquisadores, educadores, agentes culturais, artistas, formadores de opinião e, naturalmente, espectadores, e terminou por representar um passo considerável para um movimento que pretende assegurar e expandir ações voltadas para a Cultura destinada à Primeira Infância no Brasil.

A PRAÇA DOS BONECOS

Festival criado pelo SOBREVENTO para promover apresentações gratuitas de alguns dos melhores espetáculos de Teatro de Animação em uma praça ou parque da cidade de São Paulo afastado de equipamentos culturais e de lazer. Em sua sétima edição, A Praça dos Bonecos busca difundir o Teatro de Animação, congregar os artistas da área e descentralizar a produção artística, levando espetáculos da melhor qualidade à periferia da cidade de São Paulo, com ótimas condições técnicas, que incluem um palco, cadeiras e bom equipamento. O festival teve origem no projeto FANTOCHES NAS PRAÇAS, realizado pelo SOBREVENTO de 2004 a 2006.

A 1ª edição aconteceu de 18 de março a 3 de junho de 2007, na PRAÇA OSVALDO LUIZ DA SILVEIRA (Parque São Rafael, Bairro de São Mateus), como parte do Projeto Em Busca de um Teatro Contemporâneo para Crianças, realizado pelo Programa de Fomento ao Teatro. Fizeram parte da programação PIA FRAUS, TRUKS, VALDECK DE GARANHUNS e CIA. CIRCO DE BONECOS, ao lado de 4 grupos formados pelo SOBREVENTO no projeto FANTOCHES NAS PRAÇAS (MÃO NA LUVA, BAOBÁ, BANDOLENGOS E TRIO DOS TRÊS). O SOBREVENTO apresentou 4 espetáculos de seu repertório.

A 2ª edição aconteceu de 12 outubro a 28 de dezembro, no PARQUE SANTA AMÉLIA (ITAIM PAULISTA), durante o projeto Casa de Bonecos, realizado pelo Programa de Fomento ao Teatro. Novamente o SOBREVENTO participou com 4 espetáculos. Do projeto FANTOCHES NAS PRAÇAS, apenas 2 grupos partiparam da 2ª edição: MÃO NA LUVA e BANDOLENGOS. PIA FRAUS, TRUKS e CIA. CIRCO DE BONECOS voltaram a se apresentar, ao lado do TEATRO VENTOFORTE, considerado pela crítica um marco para o teatro para crianças no Brasil. O festival teve ainda o primeiro convidado de fora do Estado de São Paulo, a Cia. IN BUST, de BELÉM DO PARÁ.

A 3ª edição aconteceu no PARQUE CHÁCARA DAS FLORES (ITAIM PAULISTA), de 1º de agosto a 17 de outubro de 2010, com o apoio do Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura. Com muitas novidades - 6 dos 11 grupos partipantes apresentaram-se pela primeira vez no festival: ÓPERA NA MALA, AS GRAÇAS, TEATRO POR UM TRIZ, IMAGINÁRIO, MAMULENGO DA FOLIA - a 3ª edição apresentou, também pela primeira vez, uma companhia estrangeira. Para abrir a programação, o SOBREVENTO convidou o Teatro La Fanfarria, um dos principais representantes do Teatro de Bonecos da Colômbia. Durante a 3ª edição do festival, o SOBREVENTO coordenou uma oficina de Introdução ao Teatro de Animação, para jovens, no Espaço Sobrevento. O grupo recebeu 60 inscrições e selecionou 20 participantes. Em 24 encontros – seis a mais do que o previsto – totalizando 96 horas/aula, o SOBREVENTO chegou a desenvolver uma prática de montagem, que resultou na criação de um Auto de Natal, apresentado publicamente no Espaço Sobrevento.

A 4ª edição foi patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Petrobras, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e aconteceu no âmbito do projeto SOBREVENTO 25 ANOS: OBJETOS E IDENTIDADE. As apresentações aconteceram na Praça Noemia Campos de Sica (Praça do Botafogo), no Jardim Sapopemba, de 25 de setembro a 11 de dezembro de 2011. O convidado especial desta edição foi o Pigmalião Escultura que Mexe, de Minas Gerais. Também se apresentaram na 4ª edição Mão na Luva, Furunfunfum, Mevitevendo, Mamulengo da Folia, Circo de Bonecos, Ópera na Mala, Teatro por um Triz e Pia Fraus, além do Sobrevento.

A 5ª edição voltou a contar com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura, Programa de Ação Cultural. Dez das melhores companhias de Teatro de Bonecos do Brasil e um convidado especial da República da Coreia se apresentaram no PARQUE RAUL SEIXAS, em Itaquera, de 12 de agosto a 4 de novembro de 2012. Participaram da 5ª edição Furunfunfum, Mevitevendo, Ópera na Mala, Articularte, Teatro por um Triz, Valdeck de Garanhuns, Truks, Ventoforte, Pia Fraus, Sobrevento e a Art Stage SAN (República da Coreia). O projeto foi copatrocinado pela Korea Foundation.

A 6ª edição aconteceu no âmbito do Projeto Fragilidade, realizado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. O SOBREVENTO voltou ao PARQUE SANTA AMÉLIA, fortalecendo sua relação com a Zona Leste de São Paulo, região onde está sediado há cerca de 15 anos e na qual tem desenvolvido boa parte de suas atividades de difusão, formação e apoio ao Teatro de Bonecos. As apresentações foram realizadas de 29 de setembro a 8 de dezembro de 2013. Esta edição procurou traçar um panorama do Teatro de Bonecos produzido no interior de São Paulo, apresentando jovens companhias que têm se destacado no Brasil e no exterior, ao lado de expoentes da área. Com isto, o SOBREVENTO buscou difundir a recente produção do Teatro de Bonecos do interior, oferecendo ao público da capital o acesso a espetáculos pouco apresentados na cidade, ao mesmo tempo em que promoveu um intercâmbio entre as companhias participantes. Participaram da sexta edição Mestre Valdeck de Garanhuns e Mamulengo da Folia (Guararema), Grupo DaCuia (Americana), Cia. Mariza Basso (Bauru), Cia. Polichinelo (Araraquara), Inventor de Sonhos (Campinas), Cia. Circo de Bonecos (Salto), Internazionale Compagnia Minimalista di Teatro CaravanMaschera (Atibaia) e as paulistanas Teatro de La Plaza, Teatro Por Um Triz e Mevitevendo, além do próprio SOBREVENTO.

Em 2015, foram realizadas três edições da PRAÇA DOS BONECOS, no âmbito do projeto O TEATRO DE CASA VAI À PRAÇA, realizado pelo Programa de Fomento ao Teatro. O SOBREVENTO decidiu espalhar o festival, ocupando mais lugares e atingindo mais pessoas. A sétima edição aconteceu de 15 de março a 5 de abril, no PARQUE DO PIQUERI (TATUAPÉ). Além do SOBREVENTO, integraram a programação o Mamulengo da Folia, a Cia. Bonecos Urbanos e a Cia. Truks. A oitava edição foi realizada na PRAÇA GENERAL HUMBERTO DE SOUZA MELLO de 12 de abril a 3 de maio. Pia Fraus, Furunfunfum, Teatro por um Triz, além do SOBREVENTO, apresentaram-se nesta 8ª edição. O PARQUE ESTADUAL DO BELÉM “MANUEL PITTA” recebeu a 9ª edição do festival, que teve um convidado muito especial: o Mamulengo Presepada, de Brasília, comemorando 30 anos. Também se apresentaram no Parque do Belém a Cia. Circo de Bonecos e Valdeck de Garanhuns. O SOBREVENTO realizou, além de um espetáculo, a intervenção EU TENHO UMA HISTÓRIA. Ao todo, foram realizadas 85 apresentações no projeto A PRAÇA DOS BONECOS.

FANTOCHES NAS PRAÇAS

Subvencionado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, o SOBREVENTO formou seis grupos de Teatro de Bonecos, com 26 jovens moradores da Zona Leste de São Paulo (que foram selecionados dentre os 145 alunos que participaram de 10 oficinas de iniciação) através de um curso de mais de quatro meses de duração, com 20 horas semanais. Durante a oficina, realizada em 2004 em um pequeno galpão alugado pelo grupo para guardar o seu material, os alunos aprenderam da confecção à dramaturgia e à manipulação, o que resultou na criação de seis espetáculos, supervisionados pelo SOBREVENTO.

O projeto deu origem a um mini-festival - FANTOCHES NAS PRAÇAS, que foi apresentado simultaneamente em seis praças e parques da Zona Leste. As apresentações pretendiam, ao mesmo tempo, recuperar o ofício de bonequeiro de rua e levar Lazer e Cultura a alguns dos bairros mais desatendidos da cidade. A ação acabou transformando o SOBREVENTO num pólo aglutinador, numa rede tramada por quase trinta artistas que passaram a se reunir para receber outros grupos e pesquisadores, do Brasil e de várias partes do mundo, para estudar, debater, multiplicar, experimentar e festejar o Teatro de Bonecos, dando novo fôlego a esta Arte na cidade de São Paulo. Em todas as comunidades por onde passou, FANTOCHES NAS PRAÇAS obteve grande sucesso e receptividade do público, atendendo a uma população de baixa renda, afastada do Centro e sem acesso à Cultura e ao Lazer. Os fantoches fizeram com que as famílias voltassem às praças, fizeram com que o pai fosse levado à praça pelo filho, fizeram com que a mãe convidasse a vizinha a assistir a uma peça no domingo, fizeram com que a praça voltasse a ser um lugar de encontro. O projeto gerou um movimento de confraternização e despertou o sentimento de orgulho nos moradores pela sua região, provocando sua organização e mobilização para criar outros eventos na praça, mesmo que seja um simples festival de dominó, que um morador concebeu motivado pelo desejo de não deixar morrer o clima de confraternização instaurado pelas apresentações. O festival acabou por estimular nos moradores o desejo de transformar a praça de sua vizinhança em um lugar de lazer e de encontro familiar.

FANTOCHES NAS PRAÇAS sempre contou com a subvenção do Programa de Fomento ao Teatro. Entre 2004 e 2006, foram realizadas 5 edições do festival, atingindo um público de aproximadamente 20.000 pessoas, em nada menos que 180 apresentações, em 30 praças da Zona Leste. As praças visitas foram Dr. Sampaio Vidal, Calçadão da R. Serra Dourada, Parque Chácara das Flores, Parque Chico Mendes, Parque do Carmo, Parque Raul Seixas, Romão Gomes, Brasil (Cohab Mascarenhas de Moraes), Jaguamitanga, Craveiro do Campo, Germano Neves, Venâncio Ramos, Ministro Brito Bastos (Praça do Chapéu), Agenor Cardim, Franscisco Tavares Veloso, Rua Serra de Luiz Gomes, Inacio de Tolosa, Miguel Ramos de Moura, Ingaí, São Carlos, Carrãozinho, Serafino Corrêia, Edgard Carioca de Araújo, Fazenda da Juta, Tiquatira, Salvador Sabaté, Viviane Dias, Maria Reis da Costa, Praça do Costinha e Praça do 65.

EXPERIÊNCIA DO SOBREVENTO NO EXTERIOR

Desde 1996, o SOBREVENTO tem feito várias turnês internacionais. Recebe convites constantemente, mas procura fazer não mais do que uma viagem por ano. Já esteve no Peru (1988), Chile (1996 e 2002, 2009 e 2010), Espanha (mais de 30 cidades) (1997, 1999, 2000, 2001, 2004 e 2007, 2008, 2010, 2011 e 2014), Colômbia (1998 e 2002), Escócia (2000), Irlanda (2000), Argentina (2001), Angola (2004), Irã (2010), México (2010), Suécia (2011), Estônia (2011) e Inglaterra (2013), representando o Brasil em alguns dos mais importantes Festivais Internacionais de Teatro e de Teatro de Bonecos. A atuação do SOBREVENTO no exterior tem contribuído para a construção de uma sólida imagem do Teatro de Animação brasileiro, além de propiciar ao Grupo o rico contato direto com diferentes experiências artísticas, dando margem a futuros encontros em intercâmbios e festivais que realiza constantemente no Brasil.