Formação e Difusão do Teatro de Animação

Buscando difundir uma imagem mais digna do Teatro de Animação, o SOBREVENTO promove palestras, mesas-redondas e oficinas de curta e longa duração destinadas a professores, crianças, jovens ou profissionais de Teatro. Nas oficinas, o SOBREVENTO parte da idéia que a utilização do boneco como recurso expressivo desenvolve-se a partir de alguns princípios básicos que, considerados, podem dar origem a resultados novos e inusitados. Estes, por sua vez, podem, no mínimo, fazer ver que o Teatro de Animação é algo bem diferente da idéia preconceituosa de não passar de um Teatro mal feito para crianças.

O SOBREVENTO tem realizado oficinas em muitas cidades brasileiras e estrangeiras. Em São Paulo, em 1994, na Oficina Cultural Amácio Mazzaropi, promoveu uma oficina de três meses de duração, que, com aulas de Manipulação e Interpretação, de Confecção e História e de Direção e Dramaturgia, terminou por formar muitos profissionais hoje atuantes no Teatro de Bonecos.

Em janeiro de 1995, promoveu na Universidade Católica Blas Cañas, em Santiago do Chile, duas Oficinas de Teatro de Animação, com um mês de duração, destinadas a professores e a artistas, oficinas estas que tiveram o reconhecimento oficial do Ministério de Educação do Chile. Membros do SOBREVENTO foram professores dos cursos de Graduação da UNIRIO (Universidade do Rio de Janeiro), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e USP (Universidade de São Paulo), nas cadeiras Teatro de Animação, Adereçaria, História do Teatro e História do Teatro Brasileiro.

No campo da formação e da difusão, FANTOCHES NAS PRAÇAS foi um dos projetos mais ambiciosos desenvolvidos pelo SOBREVENTO. Realizado entre 2003 e 2004, com o apoio do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, o projeto do SOBREVENTO formou seis novos grupos de Teatro de Bonecos, com jovens da Zona Leste de São Paulo, em uma oficina de cinco meses de duração, com mais de 300 horas-aula, que abordava especificamente o Teatro de Fantoches. Da oficina, resultaram seis espetáculos que originaram um minifestival itinerante, apresentado simultaneamente em seis praças e parques da Zona Leste, durante seis semanas, que visava recuperar o Teatro de Bonecos de rua, ao mesmo tempo em que levava Lazer e Cultura a alguns dos bairros mais desatendidos da capital paulista.