EU TENHO UMA HISTÓRIA

O SOBREVENTO apresenta a intervenção poética EU TENHO UMA HISTÓRIA, que homenageia o Brás e o Belenzinho - região onde fica o Espaço Sobrevento, desde 2009. São quatro cenas de aproximadamente 10 minutos - apresentadas em tendas para 10 pessoas - que retratam, com a delicadeza e a força poética do Teatro de Objeto - momentos marcantes de personagens ilustres que tiveram sua própria história cruzada com a história dos bairros. O projeto SOBREVENTO 30 ANOS - MEMÓRIAS E TRAJETÓRIAS foi contemplado pela 28ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. Confira a programação:

Dia 20 de maio, às 15h - Catavento Cultural

Dias 21, 23, 24 e 28 de maio, às 15h - Museu da Imigração

Dia 16 de junho, às 18h - Paróquia São João Batista do Brás

Dias 17 e 18 de junho, às 15h - Catavento Cultural

Dias 24 e 25 de junho, às 16h - Paróquia São João Batista do Brás

“Nós convidamos o público que está passando por ali a parar por dez minutos, entrar em uma das quatro tendas e ouvir uma história sobre a região. Primeiro, a pessoa se surpreende. Mas logo que entra na tenda, ela percebe que a história é também sobre ela mesma e fica curiosa para ouvir as outras histórias”, conta Luiz André Cherubini, um dos diretores e fundadores do Grupo Sobrevento.

Cada cena dura de 10 a 15 minutos. As sessões acontecem seguida e simultaneamente, de modo que o público pode ver todas elas em uma hora aproximadamente. “Ao final de cada apresentação, nós colamos etiquetas nas roupas dos espectadores, com os dizeres EU TENHO UMA HISTÓRIA. A ideia é lembrar que o Brás tem uma história. Tem muitas histórias. Cada um de nós tem uma história, todas elas bonitas e importantes”, comenta a atriz Sandra Vargas, fundadora do Sobrevento e que apresenta uma das cenas.

Para criar as cenas, o SOBREVENTO se debruçou sobre três personagens ilustres que tiveram suas próprias histórias definitivamente ligadas à região do Brás e do Belenzinho, onde o SOBREVENTO está sediado há oito anos. O grupo partiu também da história de trabalhadores que ajudaram a construir o bairro, cujas profissões estão em vias de desaparecer. Os atores trouxeram relatos de jornais, coletaram depoimentos de quem viveu naquele Brás de outrora, conversaram com vizinhos, dando início a um movimento de recuperação da memória afetiva da região. A partir deste material, foram criadas quatro cenas, cada uma realizada por um ator, que também desenvolveu a dramaturgia. O objeto ocupou um lugar de destaque, garantindo qualidade poética à narrativa.

Fugindo de um tom jornalístico, os atores procuram adotar uma relação de proximidade e delicadeza com o público. “Queremos mostrar os sonhos, as frustrações, a agitação de pessoas que – assim como nós – viveram aqui ou tiveram suas vidas transformadas pelo bairro, mais do que apresentar fatos históricos”, define o ator Maurício Santana, que vive no Belenzinho há cinco anos que apresenta uma das cenas.

O Brás é um lugar de história e de cultura. Foi ponto de reunião de intelectuais e artistas. Foi palco de cinema, teatro, bailes e festas. Foi um centro de escolas-modelo, de agitação política, de sonhos de uma vida melhor. Há oito anos, o SOBREVENTO abriu sua sede, o ESPAÇO SOBREVENTO, no limite entre o Brás e o Belenzinho. Desde então, tem procurado revitalizar a região, oferecendo à população atividades gratuitas como apresentações, oficinas, exposições, debates, saraus. Trouxe ao Brás alguns dos principais nomes do Teatro de Animação do Brasil e do mundo. O sucesso do espaço chamou a atenção de importantes companhias de Teatro da cidade e de outros estados, que se interessaram em apresentar o seu repertório no Brás. Reconhecido como a única sala de São Paulo dedicada ao Teatro de Bonecos, o ESPAÇO SOBREVENTO é hoje um espaço cultural fundamental para a região e para a cidade.



TURNÊ SÓ

Só, espetáculo para adultos, será apresentado em Santos e Piracicaba. O espetáculo, que tem música original composta por Arrigo Barnabé, fala da solidão e da desumanização nas grandes cidades e no mundo moderno. Além de apresentações, o SOBREVENTO coordena oficinas e promove debates sobre o Teatro de Objetos - linguagem utilizada na criação do espetáculo. O projeto, que é realizado pelo ProAC - Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo, já passou por São José do Rio Preto, Campinas e São Bernardo do Campo. Confira a programação:

Dias 25 e 26 de maio, quinta e sexta, às 21h - Sesc Santos (SP)

Dia 1 de julho, sábado, às 18h e às 20h - Sesc Piracicaba (SP)



SÃO MANUEL EM SANTOS

O espetáculo para adultos SÃO MANUEL BUENO MÁRTIR será apresentado no Sesc Santos, no dia 27 de maio, às 19h. A peça, que tem música original composta pelo pernambucano Henrique Annes e figurinos de João Pimenta, apresenta o drama de um padre que não acreditava em Deus. O SOBREVENTO coloca em cena - sobre uma mesa, que representa a pequena cidade onde se desenrola a trama - mais de 40 bonecos de madeira, esculpidos pelo artista plástico paranaense Mandy. A música, que transita entre o popular e o erudito, é executada ao vivo por um bandolinista, um violonista e um violoncelista.

NOSSO TEATRO DE OBJETOS

O espetáculo foi criado a partir das possibilidades e limitações do Teatro de Objetos, a vertente mais moderna do Teatro de Animação. A técnica baseia-se no uso de objetos prontos, ready-mades, no lugar de bonecos, deslocando-os da sua função (mas sem transformar a sua natureza), para explorar uma dramaturgia que se vale de metáforas, símbolos e figuras de linguagem, em lugar da manipulação propriamente dita. Mas para o SOBREVENTO, que é um dos maiores especialistas brasileiros nesta linguagem, o Teatro de Objetos é particularmente provocador quando apresenta um repertório pessoal, autobiográfico, íntimo e autoral do ator, que se expõe através dos objetos. O grande potencial do Teatro de Objetos não está nas suas particularidades técnicas, mas naquilo que é capaz de despertar de mais profundo e revelador daquele artista, por meio de seus objetos. Como disse Christian Carrignon, um dos precursores da linguagem no mundo, “o Teatro de Objetos pertence ao nosso tempo e à nossa sociedade e sua vocação primeira é a de tocar nossa intimidade, de interrogar o enigma que nós somos aos olhos dos outros." O SOBREVENTO tem se debruçado sobre o Teatro de Objetos nos últimos sete anos, utilizando-o em suas mais recentes montagens. Foi responsável por trazer ao Brasil os seus principais representantes. Organizou turnês, festivais, debates, mesas-redondas e oficinas sobre o tema. Deu assessoria técnica em montagens de outras companhias nacionais interessadas nesta pesquisa. Sandra Vargas, do SOBREVENTO, é autora de um dos mais referenciais artigos acerca do tema, publicado no país. Ela também é curadora de um grande Festival Internacional de Teatro de Objetos – FITO –, que, desde 2009, já passou por nove capitais brasileiras e foi assistido por mais de 300.000 pessoas.